Folha de Contagem - Content
 Canais
:: Cidade
:: Política
:: Economia
:: Opinião
:: Cultura e Lazer
:: Polícia
:: Esporte
:: Educação
:: Meio Ambiente
:: Folha TV
~>Canais Antigos:
:: Agronegócios
:: Cidade
:: Classifolha
:: Cultura
:: Economia
:: Educação
:: Esporte
:: Opinião
:: Polícia
:: Política
:: Transporte

 Arquivos
:: Ed. Anteriores
:: Ed. Especiais
:: Enquetes
:: Parceiros
:: Álbum de Fotos

 Empresas



Aymoré: uma história de conquistas




A Aymoré/Danone atualmente possui modernas instalações, no bairro Cinco


A história de conquistas e vitórias da Fábrica de Bis–coitos Aymoré teve início no ano de 1951, com o projeto e a construção da então Produtos Alimentícios Cardoso S.A., que foi oficialmente inaugurada e começou a produção, sete anos depois, em setembro de 1958, da marca que durante décadas conquistou o respeito e dominou o mercado mineiro: os Biscoitos Cardoso.

Dez anos após a largada e a experiência de mercado adquirida, a Cardoso S.A. deu seu primeiro passo rumo ao crescimento e diversificação, adquirindo todo o maquinário, as marcas e as patentes da Rodolpho Grissi e Cia Ltda - Fábrica de Balas Suissa - de Belo Horizonte, tudo transferido para a sede da empresa, em Contagem. Assim, a Cardoso passou também a produzir balas.

No ano seguinte, foram compradas as máquinas para fabricação de balas e caramelos pertencentes a outra empresa, a Produtos Alimentícios Morro Velho S.A., da cidade de Nova Lima, o que permitiu o crescimento da produção de balas e sua participação no segmento de caramelos.

Passo principal
Em 1975, um passo importante foi dado. A empresa adquiriu, junto à Refinações de Milho Brasil S.A. em São Paulo, todo o acervo da antiga Aymoré (existente desde 1920), incluindo equipamentos, marca e patentes, transferindo-os também para Contagem.

A partir de então, a Cardoso S.A. passou a comercializar seus produtos pela tradicional marca "Aymoré". Essa transação modificou radicalmente a sua história surgindo, efetivamente, a Aymoré, para um renascimento de sucesso, remetendo a Cardoso S.A. ao patamar das grandes empresas alimentícias do país.

Transcorridos mais três anos, foi adquirida integralmente a empresa J.A. Cardoso S.A - Indústria e Comércio, fabricante dos biscoitos de marca Confiança, que também funcionava em Contagem, tendo sido mantida em funcionamento, sob a mesma razão social, até 1993, quando foi incorporada à Aymoré.

Anos 80
Se, para a economia brasileira, a década de 80 foi perdida, para o grupo Aymoré representou oportunidade de crescimento. Em 1983, a unidade central da empresa em Contagem estava estrangulada quanto ao espaço. A solução foi a compra dos terrenos e galpões da J.A.F. Duarte & Cia Ltda e os da F.N. V. - Viaturas Fruenhauf Ltda - que, ao serem utilizados como oficinas de manutenção, garagem e depósitos gerais, possibilitaram a sua adequação espacial.

A consolidação daquela unidade, ocorreu com a incorporação do terreno e instalações da Nacional Empreendimentos e Participações S.A, que aconteceu em 1984. No mesmo ano, a Aymoré absorveu integralmente a Fábrica de Biscoitos Colombo Ltda, detentora da marca Tortorella, sendo mantida a mesma razão social e promovida uma reformulação técnica e administrativa, que multiplicou por dez, a produção da empresa.

Firmando sua privilegiada posição no setor, a Aymoré comprou, ainda em 1984, a Indústria Brasileira de Chocolates e Caramelos S.A, de Montes Claros. A empresa foi mantida na continuidade de seus negócios, sendo submetida a um processo de otimização produtiva e recebendo um forno para a fabricação de biscoitos.
Coroando a década de crescimento, em 1986, a empresa adquiriu novos terrenos em Montes Claros, para onde foram transferidos os maquinários da Colombo e ousou mais uma importante operação: a compra da Duchen, adquirida junto ao grupo Fenícia, de Guarulhos, com todos os seus equipamentos (a marca não foi comprada), que foram enviados para Contagem e Montes Claros.

Nova expansão
Nos anos 90, o Grupo Aymoré continuou crescendo. Em 1991, comprou as instalações do Café Pérola, em Contagem e, em novembro de 1996 reativou a indústria, paralisada há vários anos, adquirindo ainda uma novíssima e moderna instalação industrial e lançando no mercado o Café Aymoré.

Em Maio de 1992, o grupo adquiriu a empresa de Produtos Alimentícios Abaeté Ltda, de Guarulhos, São Paulo, tradicional fabricante de biscoitos, cujo patrimônio total foi incorporado à empresa.

Em março de 1996, a Aymoré se associou à multinacional Danone, entendendo que a globalização em curso no mercado exige força cooperativa e que a Danone - a maior fabricante de biscoitos do mundo -, traria subsídios e know-how altamente convenientes e competitivos para que a Aymoré se aprimorasse ainda mais, organizacional e industrialmente.

Em 1997, a empresa inicia a construção da unidade "Severino Ballesteros", no Cinco, num terreno de 82.000m², sendo 21.000m² de área construída, cujo projeto foi concluído em 2.000, quando a Danone passou a controlar todo o capital da Aymoré, sendo provavelmente uma das fábricas mais modernas do mundo, sendo dotada de tecnologia e equipamentos de última geração.









Copyright © por Folha de Contagem Todos os direitos reservados.

Publicado em: 2005-06-08 (2107 vizualização(ões))

[ Voltar ]
Content ©

Access Denied