Atriz de Contagem protagoniza 'Suburbia', a nova série da Globo

E-mail Imprimir
Foto Divulgação/Rede GloboEdição 713 - Nesta quinta-feira, 1º de novembro, a Rede Globo leva ao ar o primeiro capítulo da série "Suburbia", que vai contar a história de Conceição, uma menina criada em meio aos fornos de carvão e que ao atingir a maioridade, sai de Minas para tentar a vida no Rio de Janeiro e acaba acolhida por uma família do subúrbio, onde tem a vida entrelaçada com Cleiton (Fabrício Boliveiro), um jovem revoltado com as leis injustas do morro, das quais foi vítima direta.
Este é a base da trama do diretor Luiz Fernando de Carvalho, que tem como protagonista, a atriz contagense Erika Januza, 27, que faz sua estreia na TV, e coloca mais uma vez Contagem no cenário nacional, quando aqui esteve, acompanhada da produção do Fantástico, para uma matéria especial sobre os anos que viveu na cidade, mais precisamente no Fonte Grande, onde foi criada.

Foto DivulgaçãoPrimeiras aparições
Erika vem de uma família humilde. Ela sempre teve o sonho de ser atriz. Mas se aventurou por alguns anos em concursos de beleza em Contagem. No entanto, enquanto as oportunidades de se tornar atriz não surgiam, ela trabalhou por alguns anos na escola Novos Tempos, como auxiliar de educação infantil, recepcionista e na secretaria. Seu modo atencioso de tratar as pessoas lhe valeu uma coleção de amigos por onde passou, recebendo, agora, o prêmio por sua determinação. "Agora vem um monte de coisa de uma vez, ainda não caiu à ficha para mim. Só tenho a agradecer a Deus pela oportunidade, é o inicio da realização de um grande sonho, agora vou estudar e me dedicar para consolidar este sonho", disse.
Quis o destino, que foi nas páginas do Folha de Contagem, que a jovem Erika fizesse as primeiras aparições públicas, primeiramente sendo capa de uma edição especial sobre o dia Internacional de Mulher, e, algumas edições depois, alvo da lente do fotógrafo Tony Y.A.A, o colunista fotográfico do jornal. E foi em seu retorno à cidade, na semana passada, que falou, com exclusividade ao Folha, sobre sua vida, até surgir a grande chance, protagonizandoa séria Suburbia, na Globo.

Foto DivulgaçãoPersonagem e apoio
É com muito entusiasmo que Erika fala sobre sua personagem, colocando que a identificação foi imediata. "As características de Conceição tem muita coisa da minha vida: é romântica, gosta de dançar, vai para outro estado para tentar a sorte e melhorar de vida... é uma mulher guerreira que vai sofrer muito para alcançar seus objetivos. Só que ela tem fibra e não desiste nunca. Acho que o público vai se identificar muito com a Conceição", disse a atriz, que entende ter sido brindada por Deus, por trabalhar ao lado de um elenco que abraçou a proposta do projeto.
Para ela, o tratamento recebido do diretor Luiz Fernando de Carvalho, também foi muito importante. "Tenho muito que agradecer a ele, que sempre me deu boas dicas e me deixou tranquila para atuar. Ele sabia o que estava fazendo e é um diretor muito presente nas cenas", declara.
Outro ponto que destacou como altamente positivo foi o fato de contracenar com Haroldo Costa, um profundo conhecedor do samba, já que a trama se passa justamente numa quadra de escola de samba carioca, o Império Serrano. E o molejo da mineirinha, parece ter agradado. "Aquilo para mim foi demais. Como se não bastasse, o pessoal da escola me viu atuar, e acabou me convidando para ser destaque no próximo Carnaval", disse com um largo sorriso.

  

A oportunidade
Érika conta que soube da seleção para o papel, através de uma amiga, Paula, que lhe disse da busca, pelos produtores, de uma moça negra entre 16 a 24 anos, para fazer um teste para atuar, sem explicar para que fim. "A informação era para encaminhar uma foto. Assim eu fiz e passados alguns dias, um rapaz me ligou falando que tinham gostado da minha foto, mas que a idade poderia ser um dificultador. Mas disse se eu poderia ir à praça da Liberdade em BH para fazer um teste, bem disse que sim, porém meio desconfiada, mas não custava nada tentar mais uam vez", contou.
No encontro com o produtor na capital, Erika foi a primeira a chegar no local. E lembra bem do momento. “Até então não sabia direito para que era o material, pois as informações não eram passadas e o produtor filmava com uma camerazinha que não pus muita fé", revela, em risos.
Então, Erika voltou para Contagem e continuou sua rotina de casa e trabalho, até que um tempo depois, quando já nem mais dava atenção para o teste, achando que não iria dar em nada, o celular tocou. “Eu estava no trabalho, pedi uma amiga para atender, e ela disse que era de uma pessoa do  do Rio. Quando atendi o rapaz falou que tinha a difícil missão de me informar que o papel era meu; não acreditei, comecei a chorar e ninguém entendeu nada", contou, com a mesma emoção vivida daquele momento.
Emoção, que também foi muito forte para a mãe de Érika, Celestina Trindade, que sempre acompanhou a filha em concursos de belezas e nos vários testes feitos em busca de oportunidades para atuar. "Estou muito orgulhosa de minha filha. É muita emoção; estou muito feliz. Obrigado, meu Deus, e todos que nos ajudaram", disse Celestina.
 

Enquete

Qual o maior problema de Contagem na atualidade?